Diário de Luiz Felipe

por  LUIZ FELIPE BRASIL SANTOS

7º. dia - 14/09 (quinta-feira) - LOGROÑO


A etapa de hoje foi longa (27,9 km) e bastante cansativa. Saí de LOS ARCOS às 6 h 30 min. , sozinho. Noite fechada, precisei utilizar a lanterna para localizar a sinalização do Caminho, que nem sempre é muito evidente. Logo na saída encontrei Fernando, que também estava sozinho, e seguimos juntos.

Os cerca de 4 a 5 km iniciais foram fáceis, em terreno plano. Após SANSOL, entretanto, começou uma seqüência de subidas e descidas muito desgastante. Cometi a imprudência de caminhar cerca de 4 horas apenas com um único intervalo de cerca de 10 minutos. Isso teve seu preço, porque o cansaço acumulou e quase faltaram pernas para o final. A partir de VIANA, o trecho melhorou nos últimos 9 km.

Não encontramos quase ninguém conhecido pelo Caminho hoje. Acredito que seja porque os que estavam em LOS ARCOS sairam depois das 6 h 30 min, ao passo que aqueles que se encontravam em TORRES DEL RIO já estavam bem mais adiante.

Na entrada de LOGROÑO, às 13 h 30 min, sob um sol escaldante (que, no entanto, quase não queima) cruzamos pela TIENDA de uma das mais conhecidas personagens do Caminho, Dona FELISA, com 90 anos de idade, que tem um livro onde colhe as assinaturas dos peregrinos que por ali passam e carimba as credenciais. Muito simpática e afável a velhinha, com quem tirei uma fotografia.

Entrada de Logroño, com Dueña Felisa


Em LOGROÑO hospedei-me em hotel, pois preciso dormir, o que não consigo fazer nos albergues. Após o banho e um breve descanso, saí para almoçar com Fernando e Ronald (que estão no mesmo hotel). Ronald continua percorrendo o Caminho de ônibus, pois os pés ainda estão feridos.

Após a "siesta", saí às 17 horas para passear. LOGROÑO é uma bela cidade, com parte antiga e parte moderna, e muita vida nas "calles" após às 17 horas, pois o comércio permanece fechado das 14 às 17 horas. Depois de muito caminhar, encontrei novamente Fernando e o casal de americanos do Alaska, que são umti simpáticos. Jantamos juntos.

Não foi possível visitar a Catedral de LOGROÑO, pois está em obras de restauração. Por fora é belíssima.

Estive no albergue e verifiquei que os outros brasileiros não estavam lá, nem estiveram, o que me faz supor que estejam à frente.

Amanhã o dia promete uma jornada de mais de 29 km, mas não pretendo cometer o mesmo erro de hoje. Próxima parada : NÁJERA.

O calor continua intenso (às 20 hs estava marcando 30 graus).