Pequena História de Santiago

por  WALTER JORGE

Prefácio

Os anos passam, o corpo envelhece, aquele ritmo frenético daquele jovem adolescente descamba, no entanto o pensamento não para, movimenta-se em uma velocidade que talvez os raios de luz não sejam suficientemente ágil para acompanhar o pensamento humano.

Muitas coisas tenho escrito, gosto de escrever, de narrar fatos, de pesquisar, mergulhar na história e tentar vivenciá-la. De trabalho a trabalho, de artigo a artigo, de um conto a outro, passei a conhecer uma figura que por assim dizer mística, um Santo, um Homem, um Pregador, passei a ler tudo o que se dizia sobre ele, pesquisei sua história, esmorecia quando não encontrava as informações que necessitava, levava dias, meses pensando: quem era ele? Porque procedeu adotando determinadas atitudes? Procurava respostas e não encontrava. A minha vida cada vez mais se entrelaçava com a dele.

Santiago majestoso no alto da fachada barroca do Obradoiro parece olhar a distancia a chegada de seus peregrinos.

Em maio do ano de 2000, resolvi efetuar a minha peregrinação ao seu túmulo, estava passando por uma grande crise, minha esposa depois de quase 50 anos de convívio, estava com câncer em estado terminal, não mais acreditava que existisse um DEUS capaz de punir aqueles que nele acreditava, estava descrente, queria o impossível.

Voltei da minha peregrinação esperando um milagre, no dia do meu aniversário, 20 de setembro daquele ano, ele a levou para o seu lado. Aquela vontade que todos nós temos de escrever sobre a nossa peregrinação “morreu”, talvez, algum dia consiga escrever esse relato doloroso que foi a minha peregrinação.

Passaram-se os anos, nesse momento senti que chegara a hora de escrever sobre ele, pois, a ele devo a minha recuperação, não a física, pois essa o tempo gradativamente vai levando em módicas prestações, mais a recuperação da crença em DEUS com a sua infinita misericórdia, na crença ao ser humano, ao homem, que apesar de suas tentativas de se autodestruir, saberá encontrar o seu ponto de equilíbrio.

Esse homem que vos falo, esse Santo, esse Apóstolo de Jesus é o nosso querido Tiago, o Santiago. É sobre esse homem que com os parcos dados que dispomos procurarei trazer para conhecimento dos nossos leitores um pouco de sua vida, da sua história, uma história de transformações, não só de um país como de um continente, informar os primeiros dados biográficos existente, sua peregrinação e pregação na península Ibérica após a morte de Jesus, sua morte no ano de 44 d.C., bem como todos os fatos conhecidos que ocorreram posteriormente e que deram lugar ao surgimento das peregrinações ao seu túmulo na cidade de Santiago de Compostela, local onde se encontra o seu corpo na “Arca Marmórea”, bem como os grandes desenvolvimentos artísticos, culturais e o intercâmbio de técnicas e de idéias que vieram a existir e da qual realmente o continente europeu necessitava.

Do decorrer do presente trabalho, passaremos também a travar conhecimento com a conquista Moura da península Ibérica e a sua reconquista, na qual, segundo a lenda, Santiago teve um papel importante.

Não poderia aqui deixar de fazer uma pequena menção às “ORDENS”, quer a de “Santiago” cujo nome está ligado ao Santo, como a dos “Templários”, bem como de outras, aquele homens abnegados que por alguns séculos protegeram os peregrinos na sua caminhada de fé e esperança.

Apesar da história sobre Santiago ser quase de 2.000 anos, batizei esse trabalho de “Pequena História de Santiago”, devido ao fato, como já relatei anteriormente, serem poucas às informações que dispomos a seu respeito, no entanto é grande o número de lendas e curiosidades, pois vários livros já foram escritos sobre tais assuntos.

Alguns peregrinos já me perguntaram: - “Qual a rota que Santiago efetuou na sua peregrinação pela Espanha?”. Por mais que pesquisasse, não encontrei nenhuma dentre as existentes que conhecemos, isso porque não existe um registro consistente sobre a sua peregrinação.

Todas as informações aqui relatadas foram frutos de intensa pesquisa devido ao fato da quase inexistência de dados confiáveis escritos na época em que Tiago viveu, lendas existentes passaram em determinados momentos a tornarem-se como fato real, outras foram modificadas ao sabor não só dos escritores como também dos habitantes de determinados locais, tornando-se difícil encontrar a fronteira entre a fantasia e a realidade.