Peregrino Walter Jorge

Convide a um amigo a visitar este site
 
 
O Santo Graal V - A Inocência
Walter Jorge

A despeito do comportamento de Sir Percival para com o Mago no capítulo anterior, o diálogo continuou. O Mago Merlim começa a falar sobre o Graal despertando ainda mais o interesse dos cavaleiros sobre o assunto. Eles bebem as suas palavras, quando, de repente, o mago exclama: “o caminho em direção à liberdade e à realização encerra sete etapas de alquimia”. O silencio paira entre eles. O que o Mago quis dizer com a referida frase?

Continuemos com a nossa leitura, vamos agora tomar contato com as sete etapas mencionadas pelo Mago Merlim.

O Mago Merlim

Primeira Etapa - A Inocência

- Vocês nasceram num estado de inocência. De todos os ingredientes utilizados pelo alquimista, este é o mais importante. O bebê recém-nascido não questiona sua existência; ele vive na auto-aceitação, na confiança e no amor. A voz insistente da dúvida ainda não é ouvida.

" Quando você olha nos olhos de um bebê, você enxerga muito pouca individualidade. A pergunta Quem sou eu? É inexpressiva para um bebê. Em vez disso, o que brilha através dele é a própria consciência, a fonte de toda sabedoria. O bebê vem ao mundo a partir da fonte da vida, e se desliga gradualmente dessa fonte. Durante algum tempo o bebê permanece banhado pelo intemporal. Ele não tem nenhum conceito de passado ou futuro, somente de um presente que se desenrola. É esse o significado de viver na eternidade, pois o que é o eterno senão o momento presente que está sempre se renovando? A própria promessa do Graal, a vida imortal, já é desfrutada pelo bebê, visto que viver no intemporal é o segredo da imortalidade."

- Se isso é verdade - comentou Galahad gravemente então por que não somos todos imortais desde que nascemos?

- Sementes e tendências - respondeu Merlim. - Todo bebê tem a tendência de se deslocar do mundo intemporal para o mundo das horas, dias e anos; do silêncio do mundo interior para a atividade do mundo exterior; do envolvimento consigo mesmo para o envolvimento com todas as coisas fascinantes que o cercam. Observe um bebê em suas primeiras semanas de vida.

Você pode ver a atenção dele ser atraída para esse surpreendente mundo novo no qual ele se encontra. E assim começa a alquimia, a constante transformação que sustentará cada alento dele em todos os anos seguintes.

" O bebê não é um anjo, sua pureza tem vida curta. O bebê sente dentro de si as primeiras pontadas de medo, desconfiança e dúvida. Quando o bebê deixa seu estado de inocência, ele emerge num mundo mais duro de pancadas e machucados. Começam a surgir desejos que não são imediatamente satisfeitos; pela primeira vez, a dor é vivenciada”.

" Vocês, mortais, chamam isso de descer do estado de graça, mas vocês estão errados. A graça opera em cada passo da existência humana, embora a limitada percepção de vocês possa impedi-los de vê-la”.

- Por que essa história triste é semelhante à alquimia? Indagou Percival, ainda sentindo-se cético.

- Porque existe uma magia oculta em funcionamento respondeu Merlim. - Quando o bebê cresce, sua inocência original não se perde realmente. O que acontece é ainda mais misterioso. A inocência permanece intacta num estado de pureza e totalidade que você simplesmente esquece. Você agora vive em fragmentos. Para você, o mundo é limitado; seu senso do eu está completamente envolvido com as experiências e memórias individuais que você acumulou.

" Ao esquecer a totalidade você pareceu deixar escapar quem você era, mas isso é uma ilusão. Você não sente nem age como um recém-nascido, mas sua essência permanece. Na realidade, a totalidade não pode ser fragmentada; a verdade não pode ser prejudicada pela inverdade. Sua perda de inocência foi um evento real que ao mesmo tempo não encerra nenhuma realidade. As forças da alquimia estão em ação além do que você consegue ver, ouvir ou tocar”.

- Como posso ter certeza de que essa inocência está realmente presente? - perguntou Galahad.

- Se você quiser entrar em contato com a inocência que existe dentro de você, procure pelas características do bebê: vivacidade, curiosidade, uma sensação de assombro, a certeza de que você é querido na terra, o sentimento de viver na paz perfeita do intemporal. Todos os bebês sentem essas coisas.

O Mago acaba de fala sobre a primeira etapa, a Inocência.
O que será que ele está nos reservando para a segunda etapa?
Aguardem a continuação.

 

Enviado por Water Jorge
 
Parte integrante do site Caminho de Santiago de Compostela - O Portal Peregrino
Copyright  1996-2003