Peregrino Walter Jorge

Convide a um amigo a visitar este site
 
 
Bodegas 7 - Priorat
Walter Jorge

Em continuação a nossa série de artigos sobre o vinho na Espanha, falamos sobre a região de Rioja e sobre a região de Ribera del Duero, nesse artigo, trazemos para os nossos leitores mais uma região produtora de vinho, vamos conhecer a região de Priorat, falando sobre a sua “História”, sua “Viticultura”, seu “Clima e Solo”, bem como sua “Vinificação e Produtores”.

Espanha – principais regiões vinícolas

Priorat

História

Priorato, um dos vinhos espanhóis mais instigantes, ainda que paradoxal, é feito numa região vinícola isolada na Catalunha, no interior de Terragona. O nome da região deriva do Monastério prioral Priorat de Scala Dei (priorato da escada de Deus). Na vila de Gratallops em meados dos anos 80, um grupo de viticultores constituiu uma cooperativa, adquirindo alguns vinhedos no solo xistoso do vale do Siurana com o objetivo de plantar as melhores cepas, com baixo rendimentos. Os vinhos produzidos pelo grupo deveriam ter seu nome precedido da palavra Clos para diferenciá-los dos demais da denominação de origem (DO). Sua composição varietal e os métodos de viticultura, com o emprego da irrigação por gotejamento, impediam sua classificação na DO. Hoje, a cooperativa já não existe e os produtores remanescentes produzem vinhos de alta qualidade pertencentes a uma nova DO chamada Priorato.

Região vinícola de Priorat

Apesar desta região espanhola ser renomados por sua refinada tecnologia e grandes negócios, os métodos de produção do vinho de Priorato praticamente não se alteraram desde que os monges Carthusianos estabeleceram sua sede naquela região, no século 12. Esta sede era conhecida na época como Prior daí o nome do vinho.

Situação

A zona vinícola qualificada pela DOQP (Denominación d´Origem Qualificada Priorat) está situada na parte central da província de Terragona, comarca de Priorat, em uma depressão originada pelo desdobramento da serra de Montsant na sua parte meridional. Está constituído pelos terrenos situados nos municípios de Morera del Montsant, Vilella Alta, Vilella Baixa, Gratallops, Bellmunt de Priorat, Porrera, Poboleda e Torroja del Priorat

Viticultura, clima e solo.

O Priorato é um dos raríssimos vinhos de primeira classe do mundo que é produzido a partir das uvas Garnacha e Cariñena, duas variedades que vêm sendo sistematicamente substituídas na Espanha e na França. A primeira destaca-se pela qualidade enquanto a segunda é a mais plantada.

Os vinhedos de Priorat

O cultivo dos seus vinhedos estão distribuído em altitudes que vão desde 100m ao nível do mar até 700m com uma configuração no seu cultivo caracterizado por fortes inclinações, que em alguns locais superam a 15%, atualmente com a finalidade de mecanizar o seu cultivo, as vinhas estão sendo replantadas para terrenos preparados em formato de terraços.

A idade nos vinhedos e a concomitante baixíssima produção (em média 0,3 toneladas por acre), sem sombra de dúvida contribuem para a intensidade e potência do vinho. Sob o tórrido sol do Mediterrâneo, as uvas amadurecem para atingir potenciais alcoólicos de até 18% (semelhante ao que ocorre com os vinhos totalmente secos de Collioure, na fronteira da França, em Roussillon). A temperatura média anual gira em torno de 15º.C, variando de 6º.C até 23º.C nos meses de julho e agosto, seu indicie pluviométrico anual situa-se em torno de 600ml. O solo é pobre, rochoso, derivado de uma camada de ardósia vermelha e quartzo. É conhecido localmente como llicorella e por sua pequena espessura, suporta apenas uma pequena produção de uva.

A colheita mecânica das uvas é praticamente impossível e nas encostas muito íngremes muitos terraços onde crescem as uvas foram abandonados, já que nos últimos anos a população rural encontrou trabalho nas vilas e cidades do litoral. Apenas alguns bravos persistem, produzindo um vinho tinto grandioso e potente, extraordinariamente concentrado, que deve ter no mínimo de 13,75% de gradação alcoólica para ser reconhecido pelas leis do DO.

Vinificação, Produtores.

A região é dominada por cooperativas, porém existem algumas vinícolas modernas tais como René Barbier, tradicional firma do Penedés, que reconheceram o potencial do Priorato para a produção de vinhos de qualidade excepcional, demarcando alguns locais muito promissores para a produção de uvas, denominados “Clos”. Em alguns destes locais uvas varietais francesas, tais como a Cabernet Sauvignon, Merlot, Syrah e Pinot Noir foram plantadas e o investimento nos “Clos” foi incentivado. Na década de 90 os “clos” Dofi, Martitet, Mogador e L´Obac produziram vinhos fantásticos, a maioria deles muito dependentes da maturação em barricas novas de carvalho francês.

Entre outros produtores temos; Álvaro Palácios (Clos L´Ermita, Finca Dolfi e Las Terrasses), Costers Del Siurana (Miserere, Clos L´Obac, Dolç de L´Obac), Mas Martinet (Clos Martinet) e René Barbier fill (Clos Mogador). Outro produtor importante é o Cellers de Scala Dei (Cartoixa). Todos esses vinhos têm em comum o fato de serem encorpados, alcoólicos, tânicos e muito frutados, necessitando longo tempo de guarda.


Fonte: ABS – Associação Brasileira de Sommeliérs e vinícolas del Priorat.

Aguardem, no próximo número iremos abordar uma outra região vinícola na Espanha.
 

Enviado por Water Jorge
 
Parte integrante do site Caminho de Santiago de Compostela - O Portal Peregrino
Copyright  1996-2003