Relatos Peregrinos

Convide a um amigo a visitar este site
 
 
Mago Daniel

Diário de Peregrino 2

Aqui eu reproduzo minhas anotações a respeito de uma experiência de visão pela qual passei. Sei que muitas pessoas não vão acreditar, mas mesmo assim relatarei. Deixo claro que se trata de uma experiência real, não uma ficção.

***

Hoje me aconteceu algo que talvez eu não relate no meu livro porque vai parecer fantasiosa demais.

Passei a noite em Carrion de Los Condes. Levantei cedo, antes dos outros peregrinos, porque minha intenção era chegar a Terradillos de Templarios. Grande parte do caminho nesse trecho é, ou deserto ou plantações de trigo. Quando eu estava em Carrion o padre José Mariscal falou desse deserto, achei que era mais força de expressão, mas não era.

Em um dado momento eu senti uma solidão terrivel, como raramente senti. Tanto para frente como para trás, ou para os lados, em qualquer direção que se olhasse não havia ninguem, só plantações. Nem passaros, nem animais, nada, só trigo.

De repente, do meu lado direito, no meio do campo de trigo comecei a perceber a formação de uma espécie de névoa levemente azulada, e então imagens começaram a se formar : era uma cena fantastica, uma batalha envolvendo romanos e bárbaros.

Era tudo translúcido, nevoento, mas ao mesmo tempo muito real. Eu ouvia os sons dos gritos, dos comandos, do choque dos metais, dos cavalos, tudo. Toda a cena ocupava, pelo que estimei, uma vasta area. Olhei para os lados para ver se havia alguem mais para tambem ver aquilo, mas não vi mais ninguem. As imagens pairavam sob a plantação, e tudo ali estava em tamanho real.

Fui ver um pouco mais de perto, pulei uma valeta e me aproximei. De um jeito muito curioso toda a imagem pareceu recuar na medida em que eu me aproximava. Pressenti que se eu me aproximasse mais ela poderia desaparecer e eu queria continuar vendo aquilo tudo por mais tempo.

Comecei a prestar atenção aos detalhes, para que eu escrevesse tudo depois, pois não queria perder nada. Tratava-se de uma batalha envolvendo um exército romano e um exército de bárbaros. Acho que lutaram uma batalha naquele lugar onde eu estava agora. Vi os estandartes romanos, vi as aguias douradas e nelas o numero 11. Tudo ali tinha um realismo tão grande que dava medo. Vi os soldados matando e morrendo naquele combate desesperado e horrivel, uma carnificina de ambos os lados. Em um dado momento a cena toda mudou, não havia mais a batalha, mas o local ainda era o mesmo: vi que os romanos perderam, e havia um grande numero de soldados romanos lado a lado, ajoelhados, e os estandartes das águias romanas jogados no chão, na frente deles. Eram prisioneiros, sobreviventes. Havia um bárbaro atrás de cada soldado, e todos os outros barbaros em volta. Eram muitos, acho que milhares. Soldados acho que haviam uns 50. De pé haviam uns 10 romanos, que acho que deviam ser os lideres. Um barbaro falou alguma coisa e cada um daqueles barbaros atras dos soldados pegou uma espada e passou no pescoço de cada um, degolando-os. Os lideres foram mortos um a um pelo chefe dos barbaros. Eram tribunos, coronéis e talvez um general, a julgar pelas plumas.

De repente, na cena toda houve um brilho como um relâmpago e tudo desapareceu, e a névoa começou a se dissipar.

Sentei no chão, atônito com o que tinha visto. Olhei no relógio, aquilo tudo deve ter durado uns 15 ou 20 minutos. Fiquei ali sentado, acho que por mais de meia hora, pensando em tudo aquilo. De repente alguem começou a dizer "hey, estás bien ?". Olhei e eram dois peregrinos, na estrada, me chamando. Eu disse a eles que estava só descansando. Seguimos viagem juntos. Paramos um pouco em Calzadilla de la Cueza. Depois seguimos mais uns 6 ou 7 quilometros e chegamos a Ledigos, e depois a Terradillo de Templarios. Lá fomos a uma hospedaria, não um refugio, e conheci Ambrósio, o dono do lugar. Depois do jantar, conversando com ele, falei do deserto das plantações de trigo, daquela paisagem desolada, etc., e ele disse que seguidamente alguem contava ter visto fantasmas ali, e que aquelas plantações tinham fama de ser "bem-assombradas" . Achei melhor não dizer nada.

***

ADENDO: depois do Caminho de Santiago, fiz um pequeno tour na Espanha, e em Avila e Toledo estive em algumas das mais completas bibliotecas de História do país. Eles valorizam muito a História da Espanha. A respeito daquilo que vi, na minha pesquisa consta que no ano 5 dC. a Decima-Primeira Legião foi enviada para render tropas estacionadas na Iria Flavia ( hoje Compostela) mas ela nunca chegou lá. Foi emboscada no meio do Caminho e destroçada pelos bárbaros. Consta tambem que logo que a noticia chegou em Roma, o Imperador e o Senado ordenaram uma retaliação violentissima, e trouxeram 4 exércitos, do Leste e do Norte, alem de uma Legião, a Nona, que estava estacionada na Gália (França), com ordens de eliminar o exército bárbaro, levar as cabeças dos líderes para Roma e ordens expressas para recuperar as Aguias Douradas, simbolos de uma Legião Romana. Isso foi feito, não deixaram sobreviventes e só séculos depois a provincia da Hispania se rebelou de novo. A destruição daquela Legião abalou o Império, porque eles nunca haviam perdido uma Legião inteira em um só combate. Assim, dali em diante o Exército Romano ficou sem mais nenhuma Legião com aquele número, 11, porque era típico dos romanos não reativarem uma Legião destruida. Consta que as Aguias foram levadas para Roma e derretidas no Templo de Marte.
 

Enviado por Mago Daniel. Visitem sua homepage em http://www.geocities.com/alkaest_2000
 
Parte integrante do site Caminho de Santiago de Compostela - O Portal Peregrino
Copyright © Todos os direitos reservados
 


;